Flavinho
Male
Rio de Janeiro

<< December 2017 >>
Sun Mon Tue Wed Thu Fri Sat
 01 02
03 04 05 06 07 08 09
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31

Carpe Tudem. Simples assim.
Como você aprendeu nas aulas de literatura, lembra!? Carpe Diem! O Tudem é licença poética... Dá pra encarar, né?
O blog vem da vontade de dividir. De contar pra quem quiser ouvir.
O autor vem de Barra do Piraí, interior do estado do Rio. Hoje, vive na capital.
A inspiração vem do título do blog, do Carpe Tudem.
O Carpe Tudem... Ah, companheiro, isso vem de berço.
Aproveite você também!

Make love!


BlogBlogs.Com.Br
Adicione o autor no MySpace!




If you want to be updated on this weblog Enter your email here:



rss feed




Monday, July 08, 2013
Gota d'Água

Apaixonou-se assim que o viu
E desde então sonhou casar
Nada entendeu quando ele sumiu
Porque ela queria engravidar

Trabalhou por anos engajado
O que menos fez foi reclamar
À promoção parecia fadado
Quando foi obrigado a se aposentar

Cuidou dos patrões por amor, pela herança
Não os abandou por sequer um momento
Manteve por anos uma só esperança
Acabou esquecida no testamento

Percebo, quanto mais converso
Que a vida está cheia desses acasos
Há apenas uma linha de sucesso
Em cada grosso livro de fracassos

O motivo nunca é só o que parece
Causador maior de tamanha mágoa
Quando se espera só o que merece
É a hora em que pinga a gota d’água

Posted at 06:13 pm by Flavinho
Venha junto!  

Thursday, October 25, 2012
Deadline

"A gente precisa fazer melhor"
"Alguma ideia nova?"
"Sim, foi aprovado"
"Todos os cabeças gostaram..."

"Está no e-mail que eu te copiei"
"O prazo é curto"
"Dá tempo?"
"Tem que dar"

"Ficou ruim"
"Excelente"
"É pra esse mês ainda..."
"Mas, hoje é dia 25!"

Terminou a reunião.
E não foi a primeira vez que eu quis dar um basta na minha rotina, no meio da tarde de trabalho, e ir atrás de você pra pedir um abraço apertado.


Posted at 05:02 pm by Flavinho
Venha junto!  

Monday, September 24, 2012
Karmarrom

Tenho azar, mas sem alma pequena
Se dá errado, quase sempre é assim
Refaço sem ensaio ou cena
Culpa dessa nebulosa em cima de mim

Há a promessa de um sorriso da sorte
Ditado que ouço desde pequeno
E a tendência de que, até que chegue a morte,
A desventura siga batendo

Na outra mão a fé
Mas a montanha ainda está parada
É pra tentar passar a pé?

Para sair dessa enrascada
Que, digna de pena, não é
Só com a alma lavada.


Posted at 01:39 pm by Flavinho
Venha junto!  

Wednesday, May 25, 2011
Pecados

Me reconheço no seu sorriso de moleque
Que já deixou de ser menino há tempos
Mas sem deixar de ser

Segura aí, que é pra brincar de pique
E pega
Enquanto peca

Porque você não honra seu pai
E nem respeita tua mãe

Usa o nome de Deus pra quase tudo
Menos, para amá-lo sobre todas as coisas

Que se há alguém pra amar, esse alguém é ela
A mulher do próximo.

De quem você roubou o coração, para depois matar de angústia
De querer
De prazer
De matar
(Um horror só)

Guardei esse domingo pra levantar um falso testemunho
Pra sentar aqui e versar você
Que é uma versão de mim
Ainda que um pouco melhorada


Posted at 07:35 pm by Flavinho
Venha junto!  

Monday, May 16, 2011
- Nós

   De tudo que poderíamos ter sido,
   Fomos somente nós
   - desses que ninguém desata.
   Mas, deixe que tentem.
 
   Que quando o tempo insistir em passar,
   E a maré puder baixar,
   A felicidade vai querer voltar a sorrir
   Pra nós.
 
   Apertados.
   Emaranhados.
   Entrelaçados.
   Atados, eu e você.
 
   Como nós
   - E somente nós -
   Sabíamos ser.


Posted at 12:09 pm by Flavinho
Venha junto!  

Monday, January 17, 2011
Será que o sol voltará a raiar?

Às vezes, acho que já não sei mais escrever.

Entro no blog, mais às traças do que nunca, e juro que tenho vontade de retomar. Em termos de literatura, acho que a vida me tornou passivo. E foi aos poucos.

Primeiro, tirou meu tempo de criar. Passar quase a metade do dia num escritório atolado em responsabilidades e afazeres complica.

Depois, podou um dos sonhos: o de ganhar a vida escrevendo. Houve uma prova para tal, fiz o meu melhor no teste e, na avaliação dos avaliadores, não foi suficiente. O tamanho da inércia que pode ser deflagrada por quem se frustra, só sabe quem já se frustrou.

Ainda assim, sinto aquela semente de escritor. Tenho meus lampejos! E passarei a tomar nota das inspirações que, por vezes, mesmo que rápidas demais, passam pela minha cabeça. Colocá-las no papel é o primeiro passo...

Para escrever, fazem-se necessários, criatividade, tempo, inspiração, conhecimento, vontade, disciplina e uma série de outros fatores. Entre eles, uma rotina: a rotina da escrita. Que, como todas as outras, começam logo cedo.

Portanto: bom dia!


Posted at 11:01 am by Flavinho
Comentários  

Monday, January 18, 2010
Precipitados

Um desafio insuperável
O amor eterno
Aquele ano perfeito
O carro dos sonhos
Um sorriso
O dinheiro necessário
Um projeto de vida
A relevância de tudo isso

À primeira vista, TUDO é diferente...

Ou não!


Posted at 03:19 pm by Flavinho
Comentários  

Monday, December 28, 2009
Adeus, Ano Velho

De repente...

...tomei um porre de saquê.
...morreu a minha maior referência.
...acabou um amor que foi tão procurado.
...o Ronaldo brilhou muito no Corinthians.
...amassaram o capô do meu carro.
...pintaram vários feriados.
...teve aquela que me iludiu com um sorriso.
...amigos brotaram aos montes.
...Paraty era só cachaça.
...não queria mais tirar férias.
...conheci aquela outra garota.
...tudo virou uma loucura.

E aí, não mais que de repente...

...vai acabar um ano que não deveria ter começado. Até que enfim.

Feliz Ano Novo!


Posted at 04:22 pm by Flavinho
Comentários  

Wednesday, December 16, 2009
Ressaca de Felicidade

   Já não era mais manhã quando ela resolveu sair da cama. Havia acordado há horas, mas foi incapaz de encontrar um motivo qualquer para vencer sua preguiça. Era sábado, o dia perfeito para cometer esse tipo de pecado matinal – além de uma série de outros pecados noturnos, que os fins de semana também costumam permitir.

   Foi direto para o banheiro. Sentada na privada, com os cotovelos debruçados nos joelhos, era a imagem da ressaca moral. Não queria pensar no que foi aquela sexta-feira, apesar de ter certeza de que nunca mais gostaria de revivê-la. Estava tudo tão silencioso que o barulho de sua urina batendo n'água parecia até uma trovoada. Ao dar-se conta, pela primeira vez no dia, ela sorriu.

   Levantou para se olhar no espelho e perdeu um tempão por ali encarando. O resto de maquiagem da noite anterior borrava seus olhos, o que dava um aspecto soturno bizarro a um rosto lindo. Pegou o removedor na primeira gaveta e se pôs a limpar. Quem dera fosse capaz de retirar as lembranças com a mesma facilidade com que se livra do rímel, do blush e do pó. Batom, não tinha mais.

   De cara limpa, deu asas à sua principal mania, começou a conversar consigo:

   - Eu não sei o porquê você ainda me apronta dessas. Quer provar o quê pra quem?

   Após uma longa pausa pensativa, deu de ombros:

   - E quem melhor do que eu pra saber o que me faz feliz?

   Prendeu o cabelo com um elástico que estava sobre a pia e vestiu a primeira roupa que encontrou. Estava em paz com a vida e queria ver a rua pulsando. Tudo bem que a rua nem "pulsa" tanto assim numa manhã de sábado... Certamente estaria mais animada que aquele quarto vazio.

   E tudo pareceu muito óbvio! Por mais que o destino final ainda não estivesse claro, ela já tinha total certeza de que aquela era a hora de sair.

   Hora de sair feliz...


Posted at 05:36 pm by Flavinho
Comentários  

Saturday, December 05, 2009
Vazio

 

Ela perguntou:

- Como vão as coisas?

Respondi:

- Me apaixonei por você!

- Hein? Como assim, Hugo?

- Não sei... Me apaixonei. E a gente lá manda no coração?

- Cara, nós somos amigos. Acho que você está confundindo tudo...

Fui pra casa. Impressionante como as coisas parecem não te pertencer quando você leva um fora. Perder o chão dá a nítida impressão de que você não é de lugar nenhum. Mesmo os ambientes com os quais estamos completamente familiarizados se tornam estranhos. E foi assim que me senti, sozinho, na sala de casa.

Me recostei no sofá como se nunca tivesse estado ali. Repassei minha história com Marina... O dia em que fomos apresentados, o primeiro telefonema, as inúmeras gargalhadas, as intimidades divididas. Coisas de amigo. Por que então fui me apaixonar?

Engraçado como coisas óbvias se tornam inexplicáveis quando você não quer aceitar suas verdades. Me apaixonei porque ela parece ser feita sob medida. A gente se completa em todos os aspectos e isso fica óbvio pra todo mundo. Até pra ela.

- Marina, a gente se dá tão bem.

- Exatamente. Entre nós não há curto-circuito, né? A gente se conhece há pouco tempo, mas se entende até numa troca de olhar.

- Então! A gente foi feito pra ficar junto!

- De forma alguma, Hugo. (Risos) Eu nunca tive isso com homem algum e fui capaz de estragar tudo o que tive com todos os homens que passaram pela minha vida. Se não por culpa minha, por culpa deles. Você entende se eu disser que não quero te perder e que é justamente por isso que não vou tê-lo? A gente é amigo! E é assim que é pra ser.

"E é assim que é pra ser"... "A gente é amigo"... As palavras ficaram ecoando. No fundo, eu agradecia. Eu também sabia que o fim de um relacionamento poderia ser capaz de me afastar pra sempre da Marina. E eu já não vejo a minha vida sem ela.

O problema é que eu só agradeço lá no fundo. E tão lá no fundo, que esse "não" dela, aqui no raso, me faz um mal danado.


Posted at 05:21 pm by Flavinho
Venha junto!  

Next Page